Nubank

    Cromo Consultoria
    Cromo Consultoria

    Se você quer saber de onde surgiu a ideia que hoje vale mais de 10 bilhões de dólares, nos acompanhe pela história dessa startup unicórnio brasileira, o Nubank.

    O colombiano David Vélez, que é formado em engenharia em Stanford, se mudou para o Brasil e precisou passar uma das situações mais chatas que existem: abrir uma conta no banco. David conta que se sentiu como se fosse um criminoso entrando no banco, você precisa deixar todos os seus pertences em um armário e ainda assim a porta giratória trava com você no meio, e para completar tem um guarda com uma escopeta enorme te olhando. Além disso, por ele ser estrangeiro, a documentação necessária era extremamente burocrática e ele precisava esperar muito tempo até ser atendido por um gerente do banco. Como se isso não bastasse, as taxas que o banco cobrava por serviços extremamente simples eram muito elevadas e injustas.

    Foi por conta dessa indignação com os bancos que David Vélez decidiu fazer alguma coisa para resolver o problema. Ele foi conversar com pessoas do setor financeiro para entender um pouco mais esse cenário, e todas as pessoas com as quais ele conversou concordavam em uma coisa: era impossível entrar nesse mercado e competir com os bancos no mundo físico. Mas, David viu uma oportunidade de colocar a sua ideia em prática no mundo digital, pois os smartphones já eram extremamente populares.

    Então, em 2013, David fundou o Nubank com a ideia de ser um banco completamente digital e com foco total no cliente, algo que a grande maioria dos bancos não faz até hoje. E foi com uma cultura de diversidade e inovação que o Nubank chegou no patamar que está hoje, com mais de 1300 funcionários e um valuation de 10,4 bilhões de dólares.

    Portanto, existem algumas lições que podemos aprender com o CEO do Nubank. A primeira delas é algo que o próprio David falou: não existe uma ideia ideal para empreender, ele mesmo demorou para começar a empreender por conta de não encontrar a ideia perfeita, depois ele percebeu que você simplesmente deve resolver um problema existente e trabalhar duro em cima disso. A segunda dica é a seguinte: não trabalhe simplesmente para ver a sua empresa crescer 10%, 100% ou 300% no fim do ano, trabalhe sempre deixando o seu cliente em primeiro lugar e resolvendo as dores dele, se você fizer isso o crescimento será consequência.

    Espero que tenham gostado da história do Nubank e continue nos acompanhando para receber mais conteúdos como esse!

    Deixar um comentário

    Seu e-mail não será publicado.